Tuesday, February 28, 2012

Da Série: A "Dureza" de se Viver no Exterior ( I )

Esses dias eu li no blog Mulher 7x7 um post divertidíssimo sobre um dicionários de termos para quem mora no exterior. Leia aqui. Trechos:

Babysitter – Profissionais acompanhadas de taximetro. Mínimo 15 dolares a hora.

Brazilian wax (depilação brasileira)- Atividade não realizada por brasileiras, porque significa retirar todos os pentelhos do corpo humano, deixando as partes púbicas iguais as de uma crianca de cinco anos. Apropriada para simpatizantes de pedofilia.

Depilação– Ritual realizado no banheiro de casa em cima de uma toalha de banho, porque custa 80 dolares da porta pra fora.

Emprega doméstica – Entidade do folclore brasileiro.

Faxineira – Anjo da guarda que eu quero abraçar toda a vez que entra na minha casa, mas que infelizmente só vejo a cada 15 dias. Fundamental para a estabilidade do casamento.

Manicure – Profissional que vive a oito mil quilômetros de distância. Por não existir em Nova York foi substituida por avatares que nao sabem o que e cutícula.
*****
Empregada doméstica, "entidade do folclore brasileiro", hahahahahah !!  Eu acho que todo brasileiro sente muito a falta de empregadas domésticas quando vai morar fora. Eu não. Desde criança eu não gosto de gente estranha sabendo de tudo de sua intimidade familiar. E ficava morta de raiva por meu pai não lavar o copo que bebia água. Minha mãe sempre justificava: "Não fui eu quem o criou, só posso mesmo influenciar o seu irmão, quero ver um dia você se virar com trabalho, casa e filhos sem empregada, quero ver ! Vai ter que casar com gringo !", blablabla whyskas sachet... Também desde que fui fazer faculdade no Rio e depois em Niterói morei foi sozinha mesmo, num apartamentinho que meus pais tinham por lá. E depois em companhia da minha irmã, que não lavava um copo (Não ! Não consegui treiná-la para tal, brigávamos muuuuito). Então eu fazia supermercado, levava roupa pra lavar ou lavava no tanque mesmo, cozinhava, limpava forno e fogão, tudo. Isso te deixa pregada, mas também te dá uma sensação de auto-confiança enorme.  Fui ficando cada vez mais metida e um dia comprei tintas e pintei a sala toda. Quase morri de dor nos braços quando ia dormir. Passei a carregar e trocar botijão de gás, ver eletricidade do chuveiro, tratar móvel contra cupim, consertei palhinha trançada de cadeira, furei paredes prá pendurar prateleiras, espelhos e quadros.

Eu ficava passada dos carinhas serem super inseguros e terem medo de mim, por eu ser assim tão "independente".  Eu não via isso como sendo uma escolha, mas sim por necessidade. Afinal, se eu não furasse a parede ninguém iria fazer isso por mim, néam ?  Meu pai sempre dizia que iria "um dia" me ajudar a pintar a parede. Esperei dois anos. Tomei horror à expressão "um dia". Horror. Vai procurar leitor no calendário "um dia" prá ver se encontra. Todo dia é "um dia" e consequentemente nenhum dia. Você é que tem que pegar uma data. Até que "um dia" (argh!) baixou uma pomba gira nimim e eu corri para uma loja de material de construção, pedi conselho, comprei as malditas latas de tinta, rolo, cabo, caçambinha, plástico pra forrar o chão, esponja e o escambau e me virei. Respingou tinta no cabelo todo, tive intensa dor muscularnos braços. Sobrevivi. O apartamentinho ficou leeendo ! Ficou até maior !

Como falei no início do post: acho incrível que brasileiro sinta falta de empregada doméstica quando vai morar no exterior. Parece até um "direito constitucional" ter empregada. Ou direito divino e sagrado. Fala sério ! Até gente pobre no Brasil emprega uma mais pobre ainda pra ir trabalhar de empregada. Uma amiga minha chegou a me dizer: "Você é louca. Eu não VIVO, não RESPIRO, não levanto da cama se eu não tiver empregada". Pelamor !! Quanta incapacidade de se organizar e se virar !

Eu trabalhei 11 anos ininterruptos aqui na Holanda e pari e crio dois filhos sem ter empregada. Os homens holandeses não são nada machistas, já deram seu grito de emancipação há muito tempo. Então eu já treinei meu marido como fazer supermercado e botar roupas para lavar. Ele espontâneamente duas vezes por ano lava todos os janelões da casa, lava nossos carros sempre que pode e ajuda na poda das plantas. Limpa a cozinha porque adora ver mármore brilhando.
E eu treino as crianças desde que nasceram. Já fui chamada pelo Renato Alves no comentário de um post de "alemã" (hahah ! Beijo Renato, hey pssiu me liga !) e em vários foruns e blogs de "ditadora", que "não sabe curtir a vida" e gente que diz "ter pena" das minhas crianças. Ó, pobres criancinhas as minhas ! Tadinhas. Ái, podem falar o que quiser, minha qualidade de vida só vai sempre pra frente.
Abaixo, listinha de coisas que meu filhos já sabem fazer muito bem. Aliás, meu filho desde que pequenininho começou a falar português e eu o elogiava por ajudar ele respondia com muita ênfase: "Eu AZUDO ! Eu AZUDO sempre !! Eu gosto de AZUDAR "
ELE (8 anos):

* Ao acordar: apagar a lampadinha ao lado da cama, apertar o botão que abre a persiana elétrica e levantar a persiana da janela pequena;
* Esticar a colcha da cama. Não é fazer a cama puxando prá lá e prá cá. É só puxar a colcha marromenos, sacumé ?
* Retirar o pijama e dobrar;
* Jogar água fria nos olhos;
* Colocar roupa limpa e descer para tomar café da manhã.
* Uma vez por semana voltar da escolinha de judô pra casa com um amiguinho sem que eu precise ir apanhá-los.
* Abrir o portão da garagem (é pesado e difícil mas não é perigoso) e retirar a própria bicicleta de manhã.
* Na escola: jogar fora os restos de sanduíche e frutas da lancheira depois de comer, fechar bem a garrafinha de suco e lancheira e colocar na mochila.
Até aqui tudo muuuito simples, não ?  Talvez eu tenha esquecido algo, mas o basicão é isso que está aí acima.  Pois é, e às vezes ele atropela essa rotina. Acorda muito cedo, vai brincar/fazer xixi/ver TV e aí toma café da manhã de pijama. Vai ao banheiro e encontra roupa limpa por lá. Não dobra o pijama. Então o quarto a essa altura ainda está com as persianas cerradas e a lâmpada acesa. Acontece.
ELA (quase 6):
* Retirar o pijama antes de descer e dobrá-lo;
* Colocar a roupa;
* Colocar uma fivela no cabelo para tirar a franja do rosto.
* Colocar lápis/canetinhas, tesourinha, etc. nos potinhos adequados depois de brincar.

AMBOS:
* Retirar eveuntualmente areia dos sapatos antes de retirá-los no hall de entrada;
* Coloca-los enfileirados no tapetinho do hall;
* No inverno: colocar os cachecóis dentro de uma manga dos casacos e pendurá-los;
* Guardar os brinquedos depois de usá-los;
* Colocar e retirar pratos, talheres, isolantes e guardanapos na mesa todos os dias;
* Lavar as mãos antes de pôr a mesa;
* Colocar roupa de baixo e meias todos os dias na cesta de roupa suja (as roupas eu quero analisar diariamente se há manchas ou buracos antes de colocar no cesto).
* Pendurar as toalhas bem bonitinhas depois de tomar banho.
* Um deve proteger o outro e vir ao socorro caso algo aconteça.

Fácil tudo não ? Não dói em nada, ficar suado não mata ninguém e colaborar ajuda na harmonia familiar. E quanto mais eles forem crescendo, mais obrigaçoes terão. Aos 18/20 anos estarão plenamente preparados para viver sozinhos. Aliás, até nas férias eles têm "obrigações". Por exemplo, quando ficamos na casa dos meus sogros na França eles vão todas as manhãs até o final da rua visitar um camping onde recolhem croissants que encomendamos no dia anterior. Eles memorizam frases em francês que eu ensino e contam o troco direitinho. Não é ótimo ?
****
Você querido leitor (a)... Mora no exterior ? Em que país ? Foi um choque cultural pra você fazer serviço doméstico ? Gosta ou odeia ? Sua vida ficou mais leve ou mais pesada em relação aos serviços domésticos ? O que você acha fácil ? E difícil (passar roupa, separar o lixo, lavar o banheiro...) ? Aprendeu a fazer pedicure sozinha ? Se vive no Brasil, se imagina vivendo sem empregada ?  E porquê não ?

13 comments:

Eleonora said...

Ana,

Eu também já deixei de criticar o fato dos brasileiros ser tão dependentes de empregados. E babá ? Todo mundo quer ter filho, mas cuidar que é bom nada. Eu sou como você, não gosto de gente estranha dentro da intimidade da minha casa. Confesso que certos serviços caseiros são chatos (mas lavar uma louça e limpar uma casa não vai fazer sua mão cair). Dei sorte que me casei com um "faz tudo", e olha que ele não é holandes . rsrsrsrs
Acho que você está de parabéns em educar seus filhos para que ajudem nas tarefas domésticas. Isso só contribuirá para o futuro deles como pessoa. Ótimo post !! Beijos.

Anita said...

Sorte sua o Edu ser desopilado e desencanado com trabalho doméstico. Eu acho importante também a mulher casada e mãe ter uma profissão. Senão fica aquela picuinha eterna com o marido e uma relação cheia de melindres, a mulher achando que porque o marido paga tudo ela tem que fazer serviço doméstico até a noite adentro e o fim-de-semana non stop. Para "compensar" a culpa dele pagar tudo, sabe ?

CarlaB said...

Adorei o post! Concordo completamente com a sua maneira de educar os filhos,(uma gracinha!) creio que eles tem que aprender desde muito cedo (comer, guardar brinquedos, roupas sozinho, etc) a serem independentes para não se deparar com 18 anos morando sozinho e não sabendo nem fritar 1 zóião...kkkk....O meu filho tem 3 anos e já faz algumas coisas sozinho e eu estou incentivando cada vez +, pois c/ 4 anos vai p/ escola primária aqui na Holanda e lá serão 20 crianças e 1 teacher, então vai ter que se virar legal. E ele gosta de ajudar, fica todo orgulhoso qdo eu o elogio...rsrsrs... Ele se oferece p/ me ajudar a cozinhar e lavar a louça....pensa! Depois que mudei p/ cá aprendi até fazer minhas unhas e vi que faço muito bem, qdo vou ao Brasil afio minhas alicates, compro uns esmaltes lindos e me viro. O serviço de casa eu faço todo sozinha, no BR tinha diarista 1x por semana, gostaria de ter aqui a cada 15 dias, mas acho que elas não fariam a limpeza como eu gostaria, então, me viro denovo....kkkkk....Penso que no BR nós somos treinados p/ depender dos outros (manicure, baba, depil, doméstica, o médico é quem faz seu BB nascer através de 1 cesárea) e nos sentimos incapazes de fazer todas essas coisas, é muito cômodo, mas temos que saber que somos capazes.....Esse é o meu aprendizado morando fora. Bjs :)

Anita said...

Nossa Carla ! Vc está com uma ótima atitude para viver por aqui. Sabe que quando vou ao Brasil tb levo alicates para amolar ? Ou simplesmente quando minha vem aqui me visitar ela me dá dois amolados e leva os meus.
Sim, a filosofia do parto natural por aqui é bem radical. Totalmente oposto do Brasil, campeão mundial de cesáreas desnecessárias. Uma mulher que teve um prenatal onde tudo correu bem na hora de parir pode e deve ter total controle do seu parto, com assistência de uma parteira e do marido. Já bloguei a respeito aqui no GFH a respeito, com a contribuição da Carla Duclos.
Agora,... eu sinto falta de depiladora. Isso é uma ferida no meu coração (é porque eu sou meio "Conga, a Mulher Gorila" de parque de diversões, sabe ?)

Glenda Dimuro said...

Anita, tenho um post sobre trabalho doméstico nos meus rascunhos. Lá No Brasil essa mordomia do século XIX vai acabar logo logo, pois cada vez o trabalho doméstico vai ficar mais caro. Eu aqui faço tudo sozinha com ajuda do marido (brazuca) que aprendeu a fazer de tudo, principalmente a pilotar o fogão. Foi criado por mamãe e por ex-mulher, mas aqui comigo teve que desaprender e aprender tudo de novo (divisão de tarefas). Não gosto do trabalho doméstico e se tivesse dinheiro pagava uma pessoa para fazer por mim. Acho muito justo que no Brasil as coisas estejam mudando e acho digno que se vc não quer fazer determinada tarefa que pague a outro pra fazer (desde que pague o que vale este serviço, que ao meu ver, vale muuuito).

Anita said...

Glenda, se eu ganhasse bem eu pagaria alguém COM PRAZER para vir aqui nos meus dias de folga (quartas-feiras) e me dar uma ajuda de umas 6 horas. Mas eu atualmente não tenho condições de pagar 15 euros a hora. Dá 90 por umas 6h. Eu prefiro guardar esse dinheiro, sabe ?

Sandra said...

Anita, como você é prendada!! Eu acho que você está educando os seus filhos para a vida, isso sim é o mais importante. Meu marido me ajuda em casa, mas a maior parte das tarefas eu faço sozinha mesmo até porque não estou trabalhando então não acho justo deixar coisas que eu posso fazer pra ele. Minha casa é um pouco grande e eu faço de tudo pra manter limpa, ao mesmo tempo que as vezes me dá vontade de ter alguém uma vez ou outra pra me ajudar na faxina mais pesada, eu igual a você, não gosto e nem tenho confiança de colocar gente na minha casa, sou "apegada" e tenho ciúme das minhas coisas. Quanto ao "resto" eu mando bem sozinha: manicure, depilação, tinta no cabelo... é um trabalhão mas no fim dá certo :-).
ps: obrigada pelas dicas dos sites de decor

Anita said...

Muita coisa que eu fiz no Brasil nunca fiz aqui. Quando meu carro dscarrega bateria no inverno meu marido é que coloca chupeta. Como as paredes de sustentação da casa são de concreto e não de tijolos ele é que se encarrega de pendurar espelhos, quadros e afins. Porque tem que ser uma super broca pra furar o concreto. Piso laminado nos quartos tb foi ele que colocou sozinho. Resolve todas as conexões elétricas, limpa os janelões por fora subindo no telhado.
Agora, eu pintei todos os guardaroupas da casa nova e ando pensando em pintar uma mesa meia-lua que serve de console. Vai dar trabalho, vai ficar lindo e vai ter post a respeito. E podo várias árvores, no jardim e no quintal. Com uma podadeira de mais de um metro, pesadíssima, subindo em escada de pintor. Uma barra. Também não durmo direito à noite de dor quando faço isso durante o dia. Mas é aquele tal negócio... se eu não fizer QUEM VAI FAZER ??? Se eu não pintar meu cabelo, vou sair por aí igual a uma raposa grisalha ? E uma Conga mulher gorila ? Com unhas no toco ? Não dá !!

Ingrid Gomes said...

Sabe que hoje mesmo vi um post "chorando" o fato das domésticas no Brasil terem sumido do mercado, neguinho dizendo na cara dura o quanto isso era um problema e blablabla....
Em casa tem a Adelina, ela está com minha mãe há mais de 20 anos, teve uma época que ia 3 vezes por semana, depois 2, depois uma e agora que minha mãe mora sozinha ela só vai a cada 15 dias pra dar uma geral e tals, quando estamos lá ela vai toda semana, mas isso é coisa da minha mae, que sim, é uma excelente dona de casa, mas trabalha das 8 as 18 e quer aproveitar seu tempo livre com outras coisas, eu entendo, tem dia que ela chega em casa 8 da noite quebrada!

Aqui eu não sinto falta de babá, empregada ou oque for, mesmo com a Adelina em casa, eu sempre fiz tudo então quando fui morar fora em 99 (fui pra Israel), eu não passei perrengue nenhum, dai pra cá não parei mais e sigo numa boa!

Agora na vida de mãe, dona de casa o trabalho duplicou, mas tenho minha rotininha e adoro, nem lava-louças eu tenho porque sou daquelas que vai cozinhando e lavando, quando termino só fica mesmo as louças que usamos na refeição, oque se resume a 3 pratos, copos, talheres e umas panelinhas, lavo em cinco minutos.

O filhote vai pelo mesmo caminho, vive me ajudando, acho que quanto mais cedo começam, melhor e melhor pra eles também, que não vao depender de ninguém pra ter uma janta quentinha ou uma roupa limpa.

Namorido aprendeu tudo na raça, mas até que deu certo e hoje é um excelente pai e dono de casa hahaha, é engraçado porque ele tem uma mãe que só falta colocar comida na boca dele, minha sogra tem orgulho de ser amélia, na casa dela o marido não faz nem o prato, não sei se isso é parte da cultura hungara ou é só na familia deles mesmo, os homens so fazem os serviços pesados, casa e filho são por conta da mulher, graças a Deus meu hungaro não saiu assim hahaha.

A única coisa que me incomoda aqui realmente é a mão de obra de pintor, pedreiro ser tão cara, ODEIO OBRA hahahha, seja fazer um furo na parede ou construir uma casa, DETESTO e aqui só se contrata alguém quando a coisa é grande mesmo, porque pintar, remendar, furar... todo mundo faz sozinho!

Anita said...

Ingrid, empregada doméstica é a profissão mais comum entre mulheres brasileiras que trabalham fora. A MAIS COMUM. Claro, a pobreza grassa. Está mudando claro, já que os salários estão aumentando e as meninas pobres então preferem ir trabalhar em comercio/hotelaria e outros setores. A classe média está reclamando... Lógico, uma mordomia que está se acabando. A dependência que a classe média brasileira tem em relação aos pobres é incrível mesmo !

É muito importante as mães e pais educarem os filhos desde 2, 3 aninhos para colaborarem com o asseio da casa. Tirar um papelzinho do chão e jogar no lixo... Deixar o pijaminha sempre no mesmo lugar... Retirar um pratinho da mesa...
Sim, levei um susto com o preço dos marceneiros, bombeiros e afins por aqui. Teve um que uma vez recebeu de nós 250 euros para colocar uma placas de granito numa meia parede da cozinha (não a cozinha toda, só UMA das paredes, até a metade). Ele fez o trabalho em menos de 3h. Incrível !!

Anita said...

Ingrid, empregada doméstica é a profissão mais comum entre mulheres brasileiras que trabalham fora. A MAIS COMUM. Claro, a pobreza grassa. Está mudando claro, já que os salários estão aumentando e as meninas pobres então preferem ir trabalhar em comercio/hotelaria e outros setores. A classe média está reclamando... Lógico, uma mordomia que está se acabando. A dependência que a classe média brasileira tem em relação aos pobres é incrível mesmo !

É muito importante as mães e pais educarem os filhos desde 2, 3 aninhos para colaborarem com o asseio da casa. Tirar um papelzinho do chão e jogar no lixo... Deixar o pijaminha sempre no mesmo lugar... Retirar um pratinho da mesa...
Sim, levei um susto com o preço dos marceneiros, bombeiros e afins por aqui. Teve um que uma vez recebeu de nós 250 euros para colocar uma placas de granito numa meia parede da cozinha (não a cozinha toda, só UMA das paredes, até a metade). Ele fez o trabalho em menos de 3h. Incrível !!

Renato S. Alves said...

Menina como você está postando!!!
hehehe
Olha, eu te chamei de alemã (rsss) mas eu também sou. No sentido meio militar sabe? kkk
Olha vou deixar meu depoimento sobre a dureza de morar no exterior.
Pra mim o que mais pega aqui são os banheiros não terem ralo. No Brasil eu emsaboaria o banheiro inteiro e jogaria água. A abençoada água levaria tudo inclusive pelos. Aqui eu tenho que aspirar primeiro depois emsaboar com cândida e desinfetantede e depois passar pelo menos 2 vezes pano úmido e ainda dá a impressão de que não está totalmente limpo.
No Brasil eu tinha faxineira uma vez a cada 15 dias. Aqui nem pensar, com o preço que cobram e o serviço que realizam. É mais ou menos 50 dólares por duas horas de limpeza. O que se faz em duas horas de limpeza? Passa-se aspirador e limpa-se o "aparente". Pra mim não dá. Toda sexta feira eu faço uma limpeza de 5 horas e a casa fica bem limpa. Depois é só cuidar...
Hey, me liga
bjs
hehehe

Anita said...

Sabe que eu não gosto de ralo ? Acho que ralo deve ser uma tremenda casa de suíngue (e maternidade e necrotério) de baratas. Eu também limpo assim, primeiro aspiro e depois passo pano úmido. Na buôa ! Sendo feliz, hahahah ! !