Wednesday, December 15, 2010

Presentinhos do Brasil

Hoje eu passei o dia inteiro pensando nas comidas brasileiras natalinas. A textura e o aroma de um panettone, os bolinhos de bacalhau do meu pai, um peruzão amigo ou um pernil bem grande, farofa, rabanada (que eu nem gosto tanto assim). Hummm… Cheguei a decisão que ano que vem quero um panetone na mesa holandesa ! Vou pedir para meus pais já me enviarem um no inicio de dezembro 2011 pelos correios.

Pois bem, estou eu preparando hoje o banho das crianças quando um entregador toca a campanhia com uma caixa grande nas mãos. Reconheci logo como tendo sido enviado pelos meus pais – e pelo formato não podia ser panetone (e meus pais não lêem meus pensamentos). Não tive como esconder a entrega das crianças e mostrar de surpresa durante o Natal. Três livros do Tintim e quatro de atividades e adesivos. Fiquei comovida com o exagero (o peso total foi de 2 kilos) e os gastos. Liguei logo para minha mãe para agradecer e botei as crianças treinadinhas para dizer “Obrigado vovó / Obrigada pelos presentes”.

Acho que o lado mais duro de constituir uma família fora do Brasil é o fato dos meus pais não curtirem meus filhos numa base mais freqüente...

4 comments:

Zoe said...

OI Anita, sei que vc não está recebendo os comentários, mas só para te falar que consegui encontrar panetone do BRasil aqui em Amsterdam, o da bauduco mesmo!. Vc encontra na Xenos!! Eu sou maluca por panetone tbm!!
bjs

Anita said...

Eu fechei os comentarios durante tres dias e tres posts atras. O GFH esta aberto a comentarios sim. E da licenca que estou indo voando para a Xenos !

Jaboticaba Preta said...

É mesmo, a dor dele é da mesma intensidade que a nossa dor pela saudades deles. Eu comprei o panetone da Xenos mas achei muito seco. No Brasil eu devorava chocotones rsrs

Anita said...

Fui a Xenos e uma atendente sabia logo o que era Panettone. Mas ja tinha acabado. Chega e acaba, chega e acaba. Eu acho que comi esse panettone da Xenos anos atras, seco e' vero... Mas pra quem ta chamando urubu de meu louro, eu encarava !